Você está visitando de onde?

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Dança, Música e Ritmos - IV

Antes de mais nada peço desculpas a todos por ter me ausentado recentemente, mas fora por motivos nobres. Minha amada mãe veio a falecer neste último dia 29/04/2010. Mas cá estou de volta, para recuperar ou tentar, o tempo perdido. Voltemos a nos focar na dança e como prometido, vamos falar em Tango.

Segundo Discépolo, "o tango é um pensamento triste que se pode dançar".
Eu concordo, e ainda acrescento, pois acho que o Tango é uma maneira sedutora de se fazer sexo sem perder o charme e a desenvoltura da conquista.
Eu procurei pesquisar e ver se meu conhecimento da história do ritmo bateria com o que se lê ou se sabe a respeito e me surpreendi ao constatar que excetuando por alguns parâmetros que me eram desconhecidos, sim, meu conhecimento acerca do Tango não era errado. Então vamos lá:
O ritmo é um dos precursores da dança a dois, criado na Argentina por volta do fim do século 19, embora não saiba ao certo. E, contrariando o que muitos de nós vemos em filmes e até mesmo nessa foto que coloquei acima, o Tango fora inicialmente dançado em Bordéis de Buenos Aires e Montevidéu, segundo algumas fontes em meados de 1900, o que poucos sabem é claro. E o que muito menos pessoas tem idéia é o fato de que ele não era dançado por um casal, e sim, por dois homens juntos geralmente prisioneiros nos cais, para estimular o sexo entre homens e o sexo anal e oral. que, uma vez livres, teriam ido viver para os bairros mais pobres de Buenos Aires. Nessa época inicial era dançado por dois homens, daí o fato dos rostos virados, sem se fitar. Em meados de 1910, foi levado para Paris onde se popularizou devido sua complexidade de movimentos e envolvimento do par dançante, que em plena cidade luz, a qual também é conhecida como a cidade dos amores se tornou um sucesso estrondoso.
O ritmo já foi representado em inúmeros filmes, como True Lies, Perfume de Mulher, entre outros, mais nenhum se compara a Tango de Carlos Saura.

Muitos longa-metragens tentaram fazer com que a dança fosse mostrada, porém, sempre acontece da dança ficar como uma espécie de coadjuvante, em relação ao enredo, o que não acontece no longa de Carlos Saura. Nele, o Tango é o personagem principal da obra, enquanto que todo o restante, incluso atores e atrizes são apenas adereços que o fazem brilhar mais. Claro que com isso, o enredo se torna um tanto irrisório, mas as coreografias são espetaculares. Se você tiver oportunidade, veja o trabalho magnífico que trouxe o Tango as telas de forma primorosa.
Mas, agora que reparei, me estendi e não falei tanto sobre a dança em si, mas não tem problema. Fica pra próxima!!
Curiosidade: ao contrário do que muitos pensam, o dançarino de Tango não se chama "Tangueiro", e sim Milongueiro. Assim como o local onde se dança o Tango que se chama Milonga.
Abraços



Referências: Wikipedia; Adorocinema.com e Alex Vianna, com quem aprendi e ainda aprendo muito do ritmo e do profissionalismo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário